Loading

Saiba como a queda na taxa Selic influencia o financiamento de imóveis

Coin stack step down graph with red arrow and percent icon, Risk management business financial and managing investment percentage interest rates concept

 

Nos últimos dias, você deve ter ouvido falar na taxa Selic. O motivo foi a sua mais recente redução, de 3% para 2,25%, o menor percentual desde a criação da série na década de 1990. Agora a pergunta que muitos fazem: afinal, o que essa tarifa tem de tão importante? A Selic exerce impacto em toda a economia e, por consequência, no financiamento de imóveis.

Antes de tudo, para entender por que isso acontece, é preciso saber como a Selic funciona. É por isso que trouxemos informações para tirar todas as dúvidas sobre a taxa e como influencia o mercado imobiliário.

 

O que é, como é definida e como funciona a taxa Selic

A sigla Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia. A taxa é definida periodicamente pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), com o propósito de controlar a inflação no Brasil.

Para chegar a uma meta, o Copom leva em conta como é o momento econômico do país, observando aspectos como o câmbio e a inflação. A tarifa, dessa forma, serve de base para outros juros no Brasil, portanto quando está baixa, o crédito fica muito mais barato. O retorno em investimentos na poupança e CDB’s, por exemplo, fica menor, uma vez que ambos possuem a rentabilidade atrelada à taxa de juros.

 

A taxa Selic e o financiamento de imóveis

Para quem ainda não tem um imóvel próprio, poderá realizar o sonho da casa própria com juros baixos.

Quanto mais alta estiver a Selic,  maior será o custo de financiamento e, como resultado, há redução de acesso ao crédito para o setor de imóveis. Por outro lado, quem procura um financiamento em períodos de Selic baixa paga menos juros e obtém bom retorno financeiro, uma vez que bens imobiliários são valorizados com o passar do tempo.

Desde o primeiro trimestre de 2020 que a Selic já estava sendo reduzida. Além disso, o crédito imobiliário recebeu muitos incentivos, com o objetivo de movimentar o setor. Entre as medidas, R$43 bilhões foram destinados para os financiamentos, e a Caixa Econômica Federal aumentou o prazo da carência para seis meses. Também para tornar o crédito ainda mais acessível, no começo de junho, uma regra de registro imobiliário foi flexibilizada pelo Conselho Monetário Nacional.

Como você pode perceber, o momento atual é bastante propício ao financiamento imobiliário devido à taxa Selic em queda. Para quem ainda não tem um imóvel próprio, poderá realizar o sonho da casa própria com juros baixos.

 

A taxa Selic para investimentos em imóveis

Por outro lado, quem deseja comprar como um investimento terá grandes chances de excelente rentabilidade, seja para revender ou alugar. Alguns fatores ajudam a explicar a boa performance do mercado imobiliário, como a queda da Selic para 2,25% ao ano, a taxa mais baixa da série histórica do país. Esse movimento inviabilizou muitas das aplicações financeiras tradicionais e boa parte das pessoas não se aventura a fazer investimentos de maior risco, como na bolsa de valores, por exemplo. Imóveis ainda são considerados ativos mais seguros, com retorno anual na casa de 5%. Nesse mesmo contexto, o investimento em imóveis também se mostrou interessante para quem busca fugir do aluguel.

Um imóvel aumenta o seu patrimônio familiar, oferece segurança em momentos difíceis e ainda, dependendo da região e condições, é valorizado com o tempo. Portanto, seja qual for o seu objetivo com relação a adquirir uma propriedade, aproveite o período.

Amim Imóveis

Amim Imóveis

LEAVE A COMMENT